5 de fevereiro de 2016

Arroz doce

 Não é que seja um doce propriamente típico do Carnaval mas sabe sempre tão bem. Andava há muito tempo com vontade de fazer arroz doce mas não tinha nenhuma receita minha ou de família, e como quase ninguém gosta de arroz doce por cá ainda pior!! Toca a ir à internet onde muito rapidamente me encantei com este arroz doce da avó que não me desiludiu em nada (as receitas da avó nunca falham)! Ficou cremoso e muito bem cozido, adorei!!
Aqui fica a receita, convém usar sempre a mesma chávena como medida para a receita, no meu caso usei uma chávena mais pequena como era só para mim (e o arroz tem tendência a "crescer"), depois é só ajustar as quantidades da manteiga e das gemas à proporção:

ingredientes {1 chávena de arroz carolino, 2 chávenas de água quente, 1 pitada de sal, 2 chávenas e meia de leite morno, 3/4 de chávena de açúcar, 2 cascas finas de limão, 1 pau de canela, 1 colher de sopa de manteiga, 4 gemas à temperatura ambiente, canela para polvilhar}

Num tacho colocar a água e o sal e antes de ferver adicionar o arroz. Deixar cozer em lume brando mexendo ocasionalmente e se necessário juntar mais água para que fique bem cozido. Quando o arroz estiver cozido e não houver mais água juntar o leite, a casca de limão, o pau de canela, o açúcar e a manteiga. Mexer tudo muito suavemente, deixar o açúcar derreter e levantar fervura mexendo sempre. De seguida adicionar as gemas em fio muito lentamente mexendo sempre. Deixar 2 a 3 minutos ao lume e retirar. Fico ao gosto de cada um, eu como gosto do arroz doce mais cremoso retirei logo, se gostarem mais seco deixam mais tempo. Colocar de imediato em tacinhas e polvilhar com canela em pó. Bom fim de semana e bom Carnaval!

14 de janeiro de 2016

Estrela de massa folhada com alheira, cogumelos e bacon

Uma estrela que foi literalmente a estrela da festa num convívio com a família e amigos, onde todos ficaram fãs!
Existem várias versões espalhadas pela internet, a maioria em versão doce com nutella! Eu preferi experimentar uma versão salgada, para o recheio preparei um salteado com alheira, cogumelos e bacon. Depois foi só colocar o recheio sobre as placas de massa folhada e recortar a estrela. Podem ver este vídeo que explica passo a passo como fazer a estrela, é muito fácil. Podem usar 2 ou 3 placas de massa folhada, eu usei 3. Antes de ir ao forno pincelei com ovo batido e cobri com sementes de sésamo.

6 de janeiro de 2016

As melhores Rabanadas na Actifry

Agora que fiz e provei acho que não vou querer fazer rabanadas de outra forma! Ficaram tão boas, na minha opinião ainda melhores do que as fritas de modo tradicional pois não ficam com aquela gordura excessiva do óleo, que por muito que se absorva fica sempre presente, e neste caso não.
Pena já ter feito esta descoberta só depois das festas, e por mero acaso, pois tinha sobrado meio cacete e quando ia a fritar as rabanadas é que reparei que tinha acabado o óleo.
Aqui fica a receita completa, as rabanadas são feitas do modo tradicional e só mesmo a fritura é feita na Actifry. No dia seguinte ainda estavam melhor, experimentem!

ingredientes {1 cacete (de preferência com mais de 1 dia), 4 ovos, 1 litro de leite, 5 colheres de sopa de açúcar, 2 paus de canela, 2 cascas de limão, acúçar e canela em pó para polvilhar, margarina para untar.

Num tacho aquecer o leite com o açúcar, o pau de canela e a casca de limão, deixar ferver e retirar do lume. Cortar o cacete em fatias grossas (dá mais ou menos 16/18 fatias) e colocar no leite alguns minutos até ficarem moles. Retirar com cuidado e colocar num passador a escorrer. Quando estiverem bem escorridas retire-as sem espremer e passe cada fatia no ovo batido. De seguida coloque na cuba da Actifry com cuidado e com espaço entre cada uma pois elas crescem ao fritar (eu fritei apenas 4 de cada vez). Antes de colocar as fatias na Actifry retirar a pá para não as desfazer ao fritar e untei a cuba com muito pouca margarina. Deixar fritar 8 minutos depois virar as fatias e fritar mais 3 minutos. Convém ir verificando se precisa de mais ou menos tempo.
Retirar da máquina com cuidado, colocar num prato e polvilhar com açúcar e canela.
Repetir o processo para as restantes fatias.

30 de dezembro de 2015

Feliz Ano Novo { 2016 }

A contagem decrescente para o Ano Novo já começou, e os últimos raios de sol de 2015 estão a chegar ao fim. Que 2016 seja um Ano cheio de sol, calor e com a luz à medida de cada um dos vossos sonhos e desejos, são os votos do Paraíso para todos os que nos acompanham. Até já.

14 de dezembro de 2015

Experimenta Design 2015 {as far as the mind can see

As far as the mind can see é o título da exposição apresentada no Porto que nesta 9.ª edição da Bienal da Experimenta Design retrata a dinâmica intelectual individual da produção criativa, e essa faculdade de ver até onde a mente nos permite, observando-a em tempos e geografias diferentes. A exposição divide-se em duas apresentações geograficamente separadas: no Porto AS FAR AS THE MIND CAN SEE e em Lisboa AS FAR AS THE MIND CAN´T SEE, com conteúdos distintos e complementares.
Nesta edição é de destacar a presença alargada da Bienal para além dos limites da capital marcando a sua inauguração no Porto e em Matosinhos com duas exposições. De salientar que por cá não houve muito divulgação, o que é uma pena, daí a minha visita tardia a uma semana do fim da exposição.
O local da exposição em pleno coração da baixa do Porto tem uma vista magnífica, fica no último piso de um edifício mesmo ao lado da Câmara Municipal do Porto, uma autêntica varanda sobre a cidade. Valeu muito a pena a visita, e até ao próximo dia 20 das 10h às 18h ainda vão a tempo, a entrada é gratuita.
Em Lisboa poderão ainda visitar também até ao dia 20 o Lounging Space da EXD no Palácio do Príncipe Real e a exposição From Hands to Mind na Cordoaria Nacional.

3 de dezembro de 2015

Medalhões de pescada com molho de caril

Esta é uma receita deliciosa e que sabe tão bem nestes dias frios de inverno, aquece o corpo e a alma! A receita já foi publicada aqui no blogue com o link para a receita original e já há muito tempo que não a fazia. Um destes dias tinha medalhões de pescada para fazer e não pensei duas vezes pois os sabores indianos são sempre muito bem vindos na mesa do Paraíso. E cada vez que faço fica sempre melhor.
Aqui fica a receita completa:

ingredientes {800 g de medalhões de pescada, 2 alhos picados, sumo de ½ limão, sal e pimenta qb., 1 fio de azeite, 2 colheres de sopa de margarina, 1 chávena de café de vinho verde, 1 colher de chá de açafrão, 1 colher de chá de caril tailandês em pó (usei esta mistura), 1 colher de café de noz-moscada, 1 colher de café de pimentão doce em pó, 1 colher de chá de amido de milho (maizena), 1 colher de sobremesa de salsa picada (ou se preferir coentros, eu adoro), 200 ml de leite.

Começar por temperar os medalhões de pescada com os alhos picados, sal, pimenta e sumo de limão.
Entretanto preparar a mistura de especiarias, numa tigela misturar a salsa (ou coentros) picados com a maizena e todas as especiarias, juntar o leite e misturar bem, reservar.
Numa frigideira colocar o azeite e a margarina e deixar derreter, juntar os medalhões e deixar cozinhar de ambos os lados durante alguns minutos, assim que tiver evaporado todo o líquido que o peixe liberta juntar o vinho e deixar reduzir para metade. Nessa altura juntar a mistura de especiarias e deixar cozinhar alguns minutos até o molho engrossar a gosto.
Se possível acompanhar com pão achatado indiano.

17 de novembro de 2015

Quiche de brócolos e chouriça moura


 
Uma combinação de sabores muito boa, o sabor do fumeiro salgado da chouriça moura de Lamego com o brócolo fica excelente, e assim se faz uma refeição com um vegetal tão pouco amado mas que eu tanto adoro!!

ingredientes {1 embalagem de massa quebrada, 500 g de brócolos, 200 ml natas, 3 ovos, ½ chouriça moura, 100 g de queijo ralado}

Colocar a massa quebrada numa forma de tarte, picar o fundo com um garfo, tapar com papel vegetal e levar ao forno coberto com feijão, só para pré-cozer a massa, durante 10 minutos a 180 graus.
Entretanto dar uma pequena fervura aos brócolos e escorrer bem; bater os ovos e juntar as natas, reservar.
Retirar a massa do forno e no fundo colocar a chouriça moura às rodelas, os brócolos, o queijo ralado e cobrir tudo com os ovos e as natas.
Levar ao forno a 180 graus durante cerca de 20 minutos.

10 de novembro de 2015

Bolo de banana com calda {e o reencontro com amigos

Tal como já tinha mencionado, o blogue cresceu e o Paraíso chegou às redes sociais onde já fez novas amizades e onde reencontramos amizades antigas que se tinham perdido na volatilidade da internet. Fiquei muito contente por reencontrar a autora do blogue Mesa para 4, que apesar de ultimamente ter pouca actividade, continua ainda a ser uma referência e um dos meus blogues de eleição no que toca a receitas reconfortantes e simplesmente deliciosas. Foi por este motivo uma grande alegria quando a reencontrei no Instagram, e claro fiquei logo a babar com as fotografias dos bolos (a imagem de marca da Mafalda), e a nossa curta amizade é de tal forma recíproca que nem foi preciso pedir a receita deste bolo, assim que o vi passados alguns minutos tinha a receita enviada por mensagem privada!! É mesmo muito bom, experimentem e depois digam alguma coisa.

ingredientes {4 ovos, 1 chávena de açúcar branco, 1 chávena de açúcar amarelo, 2 bananas maduras, ½ chávena de óleo, ½ chávena de leite, 2 chávenas bem cheias de farinha com fermento}

Bater os ovos com os dois açúcares e a banana, juntar o óleo e o leite.
Misturar tudo muito bem e por fim adicionar a farinha sem bater muito.
Levar ao forno pré-aquecido a 180 graus cerca de 45 minutos.
Entretanto preparar uma calda enquanto o bolo coze, levar ao lume um tachinho com 100 ml de leite, 200 g de açúcar amarelo e 100 g de margarina com sabor a manteiga. Envolver tudo muito bem e deixar derreter. Quando começar a ferver contar 7 minutos mexendo de vez em quando.
Deixar arrefecer para que ganhe consistência e depois deitar por cima do bolo.